SEJA BEM VINDO




Pesquisar este blog

terça-feira, 12 de junho de 2012

Runco admite cansaço de R10 em treinos, mas diz: 'Não é absurdo'


Médico do Flamengo revela que meia se apresentou algumas vezes sem estar 'se sentindo muito bem', mas diz que situação é comum


José Luiz Runco, médico do Flamengo (Foto: Alexandre Sattamini/SporTV.com)

O médico José Luiz Runco desmentiu durante o "Bem, Amigos!" o vice-presidente jurídico do Flamengo, Rafael de Piro, ao descartar a existência de um exame que apontaria a presença de álcool no sangue deRonaldinho Gaúcho. A análise seria, segundo a diretoria do clube, uma das provas de casos de indisciplina do jogador. Mas o médico do Rubro-Negro reconheceu, após o programa do SporTV, que o jogador se apresentou cansado, dizendo não ter dormido bem, para alguns treinos do Fla.
- Realmente ele chegava em alguns momentos de manhã e dizia que não estava se sentindo muito bem, que não tinha dormido bem, que precisava descansar, para fazer, principalmente, os exercícios de tempo integral. Dizia que era para poder fazer melhor - afirmou.
Mas o médico minimizou o cansaço de Ronaldinho, dizendo que exemplos do tipo são comuns no futebol.
- Mas isso não é um absurdo nenhum. Eu tenho 34 anos de futebol e não é só o Ronaldinho, vários jogadores fazem isso, em termos de atividade. Temos que respeitar - declarou Runco.
Acho que tem que ter moderação, a arma do jogador é o corpo"
José Luiz Runco, médico do Flamengo
Na opinião do chefe do departamento médico do Flamengo, um jogador é capaz de equilibrar a vida noturna com a rotina de atleta.
- Acho que tem que ter moderação. A arma de trabalho do jogador é o corpo. É muito pessoal, cada um olha de uma forma - disse o médico.
O relacionamento entre Ronaldinho Gaúcho e o Flamengo chegou ao fim em 30 de maio, após um ano e cinco meses marcados por atuações discretas em campo, atrasos de salários e atritos entre as duas partes. A saída do jogador foi decidida por uma liminar da 9ª Vara do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro, que o liberou para rescindir o contrato com o clube.
O Flamengo não aceitou a saída do camisa 10 e tentou cassar a liminar que o liberava para assinar com outro clube. Após ver Ronaldinho ser contratado pelo Atlético-MG, os dirigentes rubro-negros receberam, então, a notícia de que a tentativa não havia sido aceita pela Justiça. A tática passou a ser enfrentar o meia nos tribunais, com o objetivo de comprovar a indisciplina do jogador por meio de várias provas - além de vídeo, e-mail e notas fiscais de um motel, também figurou o exame que apontaria álcool em seu sangue, desmentido por Runco.
- Não entendi muito quando eu li (a notícia do exame). O meu objetivo é mostrar que todos os exames feitos nos atletas são de rotina do Flamengo. Não sei se houve um equívoco na passagem da informação ou se quem passou não entendeu direito. Alguma coisa aconteceu para dar essa descarrilhada no Flamengo - disse o médico, que se estava a serviço da seleção brasileira quando Rafael de Piro revelou à imprensa a existência do laudo.
De acordo com o médico, o Flamengo não costuma fazer exames para surpreender jogadores. Mesmo sendo capaz de fazê-lo, precisa contar com o consentimento do atleta.
- Normalmente, fazemos exame no início de temporada. Rotina normal em todos os clubes, faz avaliação da parte sanguínea, cardíaca. Se houver outra necessidade, faz-se outra ao longo da temporada. A rotina é no início do ano - afirmou o médico.
Segundo ele, exames não podem tentar detectar álcool ou droga sem a aprovação do paciente.
- Sem dúvida nenhuma, não pode. Isso é contra o código de ética médica.
Runco afirmou, por outro lado, que um juiz pode solicitar um exame médico existente de um jogador caso ache necessário.
- Em termos médicos, sim. Você poderia usar o exame, mas só em juízo, solicitado por um juiz. Entra em uma área em que a gente não se envolve. O juiz pode solicitar em um caso de um julgamento. Mas não é o caso normal - disse.
O Flamengo tem uma dívida assumida com Ronaldinho de cerca de R$ 5 milhões. Mas os advogados do jogador cobram na Justiça o valor de R$ 40.177.714,00, pois existe uma cláusula no contrato de imagem do ex-camisa 10 rubro-negro que garantiria a rescisão unilateral e o pagamento dos meses restantes do compromisso – que terminaria no fim de 2014 – em caso de atraso superior ou igual a dois meses.

Nenhum comentário:

Postar um comentário